domingo, 5 de janeiro de 2014

Joaquim Egídio 40º

Recebemos a visita da TDP, nossos ilustres amigos de Sampa e região!
Com todo mundo vidrado em single técnico, separei a trilha que, na minha opinião, consegue reunir um pouco de cada coisa! Contemplação, singles, descidas e uma coxinha espetacular! A trilha é o nosso BMX!
Saímos em 17 bikers para o primeiro pedal do ano de ambos os grupos!
A saída foi perto das 9h00... um horário um pouco avançado, mas ainda dentro do aceitável para o horário de verão! Como a trilha não exige tanto da parte física (considero uma trilha moderada), não haveria problema, certo? kkkk

Primeiras subidas do observatórios foram tranquilas e o que mais nos castigava era realmente a temperatura! Já na saída estávamos com 31º.
Agrupamos no observatório, nosso primeiro ponto de contemplação da bela vista do vale das pedras e da descida do Comandos em Ação!


De lá fomos para o ponto de rapel pouco antes da entrada para a pedra partida!




Mais um belo local de contemplação de onde é possível ver Campinas!
Alguns km depois, chegamos à pedra partida (ou quebrada como alguns preferem). Nesse pondo fizemos uma longa parada para tentar convencer dois alucinados a não descerem pelo trecho mais íngreme da pedra. Logo chegaram dois motoqueiros que subiram e desceram pela parte mais inclinada, e mesmo para eles, não pareceu tão simples assim!








Pelo lado "fácil", todo mundo (com raras exceções) desceu sem problemas! Incluindo as meninas. Isso mostra que os marmanjos que vão lá toda semana e não desceram ainda a primeira vez estão com medo à toa!

Seguimos para os deliciosos singles dentro da fazenda até a estrada que leva à Morungaba. Foram quase 30 minutos de pura diversão. Confesso que estava um pouco apreensivo de arrastar uma turma por mais de 100 km e eles se decepcionarem com a trilha. Mas no final dos singles os sorrisos de satisfação no rosto de todos mostrou que realmente o trecho é bacana! 
Desse ponto descemos o BMX propriamente dito e aqui a primeira queda! Quem conhece sabe que essa parte do pedal pode ser bem traiçoeira (certo THB? kkkk). Ainda bem que foram só ralados e orgulho ferido. Nem o biker nem a bike sofreram "major injuries", como diz a turma do Rampage!
Com os longos períodos de contemplação, estávamos super mega atrasados nesse trecho. Já passava do meio dia e ainda nem tínhamos descido o paralelepípedo em direção à ponte queimada. Com isso fui obrigado a cortar duas surpresas na trilha! A corredeira do Rio que é linda (foto abaixo)
e o lageado.... a foto não é das melhores. Até por isso quero voltar lá! :)
Mas também não posso mostrar tudo de uma vez só, certo? Senão a turma não volta mais! :D Fica o convite para novo pedal e visitarmos esses pontos!

Passamos pelas antenas da Embratel e aqui nos desgarramos de 1 biker! Apesar dos nossos esforços para localizá-lo no entroncamento das antenas da Embratel, fazenda Palmares, K2 e ponte queimada, não foi possível!
Uma parada para uma foto somada às várias possibilidades deste trecho da trilha, fez o nosso amigo se perder!
Mais tarde descobrimos que ele conseguiu informações para voltar para o carro. O encontramos sã e salvo! Não estou acostumado a coordenar grupos grandes, mas aprendi algumas lições nesse passeio!

Voltando à nossa trilha, a temperatura já estava por volta de 40º.


No garmin tive um pico de 51º. Imagino que algum momento que paramos de deixei a bike no sol. Mas mesmo assim... o calor estava beirando o insuportável. Pelo gráfico deu pra ver que passamos boa parte do trajeto com quase 40º. Os meus 3 L de água haviam acabado e ninguém tinha qualquer líquido disponível. O lado bom era que estávamos no pé do "k2 zinho" e apenas 30 minutos nos separavam do Armazém Rural, onde um delicioso suco de maracujá e uma coxinha espetacular nos esperavam.
Tivemos 3 pneus furados e um deles de maneira bem interessante!

Tava mais para um piercing que um prego comum! Esses eventos agravaram ainda mais o atraso no horário e aumentaram a exposição ao sol pelo grupo!

No meio da subida, nossa amiga Lucy teve uma luz.... "E se acharmos algum local para pedir água?"
Passamos na fazenda que fica exatamente no meio da subida e logo ao lado da porteira, avistamos uma mangueira que reluzia mais que ouro! Acredito que algumas vidas foram salvas... rs

O capataz foi extremamente gentil e deixou os 16 bikers entrarem.




Os banhos completos foram fundamentais para abaixar a temperatura de todos assim como completar os camelbak's. Tudo isso tornou o final da trilha suportável! Realmente essa parada foi fundamental.
Chegamos ao Armazém Rural por volta das 15h00 (sol das 14h00) e coca cola, suco e cerveja fizeram a festa da galera.
As coxinhas acabaram e todo mundo ficou satisfeito com esses 20 minutos de descanso!
Frases como "já tá cabando?", "tem mais subida?" e "falta muito?" era o que eu mais ouvia!

Ainda presenciei uma cena inusitada, onde um amigo nosso ajudava um motoqueiro enchendo o pneu com uma bomba de bike! Isso depois de pedalar a subida da ponte queimada debaixo de 40º.


Fechamos o pedal quase 4 da tarde (2h40 rodando), mas muito satisfeitos e com certeza com mais histórias para contar. Minha maior satisfação foi ver que a galera toda estava feliz e querendo voltar.
De lá tocamos direto para o Zé do Cleto, pois não dava mais para aguentar a fome!

O video de alguns momentos vai para o face do grupo assim que o upload no youtube finalizar: www.facebook.com/moscabiketeam. Dêem um curtir lá!

E que venha 2014!

2 comentários :

Anderson Vivas da Silva disse...

Prezado companheiro de pedal, foi realmente um prazer ter tido a oportunidade de participar desse evento com uma turma tão legal. Cada vez aprendo um pouco mais. Suportar o calor e a fadiga também faz parte do aprendizado. Um grande abraço do amigo biker Anderson.

Claudio Abrão disse...

Boa Mosca !!! trilha que iremos fazer novamente com certeza....