segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Por que as esposas e namoradas não pedalam?

Quase todos os bikers (homens) que conheço e estão em algum tipo de relação estável têm problemas de "alvará" para as trilhas.

Os que pedalam no sábado normalmente não conseguem pedalar no domingo e vice-versa!
Ainda rola aquele tchau rápido no fim de cada trilha, pois sempre estão em cima da hora. Quem faz trilha sabe, horário é uma coisa complicada.
Voltando ao nosso assunto, um dos nossos sonhos de consumo é que nossa cara metade também gostasse da arte de pedalar... de ir para as trilhas, se encher de barro, cair, dar risadas, falar besteiras e conhecer os locais incríveis que conhecemos. Gostar de discutir qual o melhor tamanho de roda e não ficar boiando quando alguém solta "downtube" no meio do bate papo.
A princípio, não é uma tarefa difícil, pois muitas (muitas mesmo) meninas, adoram pedalar. Precisam só daquele apoio inicial e um pouco de paciência nossa.
Se sua parceira não é estritamente cosmopolita e as suas roupas cheias de barro do pedal não lhe causam um horror intenso, há esperança.

Só que faça a coisa do jeito certo. O mais comum que vejo é o cara estragar o único fio de chance de transformar a esposa ou namorada em uma verdadeira mountain biker.

Então vamos às dicas:

1 - A Trilha.
Não leve ela naquela trilha que adoramos com 40 km e 1400 m de altimetria cheia de pedras e valetas. Já vi uns absurdos desses e essa é a melhor forma de transformar aquele leve sentimento de admiração pela bike em um ódio mortal. Lembre que pedalar é se divertir, não sofrer! Leve ela em uma trilha fácil, sem grandes subidas, pedras e perigos. O gosto pelos desafios virá com o tempo. O ideal é uma trilha de até 20 km com no máximo 350 m de altimetria... de preferência distribuídos pelo passeio! Difícil né?! Mas pense no benefício de levar quem emite o alvará junto com você em todos os passeios! :D


2 - Ajuste o selim dela.
Pode parecer óbvio, mas vejo muuuuito esse erro nas trilhas, sim, nas trilhas... Vai o cara na frente, todo equipado e certinho e a namorada atrás quase morrendo com o banco lá embaixo. Além de cansar pra caramba, deixar o banco muito baixo vai destruir os joelhos dela.
As meninas querem colocar os pés no chão sentadas no banco e isso não é possível. Tem que explicar para elas que você desce do banco (e vai para frente) antes de parar e também faz isso para sair com a bike. Sentar no banco só quando estiver em movimento. Mesmo que elas insistam, é fundamental regular o selim corretamente.


3 - Tamanho da bike.
É comum a garota estar em uma bike muito grande ou muito pequena para ela. Por que isso acontece? Porque ela normalmente não tem bike! Nós, parceiros, é quem vamos arrumar uma para ela iniciar e aí ela acaba ficando com aquela nossa antiga bike ou pegamos emprestado de alguém. O problema é que o bonitão tem 1,90 m e a namorada 1,65 m e é aí que mora o problema.
Uma bike muito grande ou muito pequena vai trazer um posicionamento errado e com isso dificuldade para pedalar (mais esforço), dores nas costas, braços e pescoço fazendo com que o passeio seja um tormento.
Quem não ouviu ou já disse a frase: " Essa bike não é dela, é só para ver se ela gosta da coisa!" Como é que ela vai gostar se o desconforto é enorme? Então se for emprestar a bike de alguém, procure uma pessoa com a estatura parecida. Se vocês tem mais de 10 cm de diferença de altura, sua bike não vai servir para ela!

4 - O selim.
Aqui não tem muito jeito. Vai ter que experimentar. Banco é uma coisa extremamente pessoal. Tenha a opção dos mais confortáveis e largos também e não só os bancos perfomance. Quando passei por isso com a minha esposa, ela preferiu os bancos largos. O que fizemos foi trocar por alguns e ela deu umas voltas ANTES de ir para a trilha. Imagina no meio do mato alguém que não consegue mais sentar na bike? Você não vai querer passar por isso. Então teste antes! Há poucas chances dela gostar do mesmo banco que você.

5 - Comprar uma bike.
Se a sua decisão for realmente comprar uma bike para a parceira, essa não é uma boa hora para economizar muito. Eu sei que a dúvida se ela vai gostar de pedalar ou não ainda perdura e só de pensar em deixar uma bike cara encostada é de doer, mas  comprar uma bike muito inferior aumentam demais as chances dela não gostar do esporte. Então vale à pena investir um pouco mais para ela ter um mínimo de equipamento para se desenvolver.
Não adianta comprar uma bike de ferro, 18 marchas de R$ 200,00 e depois não entender por que ela não quer pedalar de novo. Pergunte-se: você iria para a trilha com essa bicicleta? Seria divertido? Se a resposta for não, pode abrir a carteira. Comprar para ela uma bike muito abaixo da sua é receita para o fracasso.

6 - Equipamento de segurança.
Aqui não é possível economizar. Comprar capacetes ou luvas sempre com selos do INMETRO e de lojas e marcas confiáveis. Lembre-se, é o amor da sua vida que estará usando eles e em uma queda, são eles que evitarão que ela se machuque. Ciclismo tem seus perigos e não é um esporte barato, infelizmente.... ainda mais aqui no Brasil!

Depois de tudo isso, planeje o passeio com calma, em um horário sem muito sol (após às 14h00 ou antes das 8h00) e em um local agradável. Tem que ir aos poucos para que o vírus da bike vá se apossando da pessoa! :)

Tenho alguns amigos que têm o privilégio de ter a esposa como parceira de trilha e é muito bacana ver as meninas encarando o barro e a buraqueira junto com a gente. Isso fortalece a relação e aumenta consideravelmente o leque de viagens para pedalar. Quem não gostaria de ir para Whistler? Com a esposa ao lado será muito mais fácil!

7 comentários :

Carolina disse...

Legal dar dicas para iniciar a pedalar, se você é alguém experiente e esta pessoa te pediu! Estas dicas se aplicam para qualquer INICIANTE na bike, homens ou mulheres! Agora, achar que mulheres não pedalam, que em geral não tem bike, que não sabem ajustar o próprio selim, que o namorado/marido será o grande iniciador dela no pedal é um pensamento extremamente machista! Se é pra dar toque para iniciantes, ótimo!! Mas esse negócio de "transformar a esposa ou namorada em uma verdadeira mountain biker" não faz sentido, sua parceira vai se desenvolver nisto se quiser e seu desenvolvimento no esporte será mérito dela, e pode ser uma atividade maravilhosa em parceria! Fiquem abertos a APRENDER com suas parceiras também, e não imaginem que mulheres não possam ser PRO no pedal, que possam adorar também trilhas duras e desafios pesados, que não comprem suas bikes com dinheiro PRÓPRIO e saibam realizar consertos em suas magrelas! Inclusive, pode ser a mulher que dê estas dicas para o parceiro começar a pedalar! Atenção para não agir desta forma e se tornar um chatão, querendo ser professor de tudo e subestimando a inteligência e capacidade da sua parceira!

Rodrigo Neves disse...

Acho que você não entendeu a postagem, aqui o ponto de vista é da mulher que não pedala e o homem incentiva a esposa a pedalar, uma mulher que não tem o conhecimento, não quer dizer que todas são assim

Mosca SS disse...

Obrigado Rodrigo! :)

Verônica Mambrini disse...

O título traz o pressuposto de que mulheres não pedalam. Erradissimo. O comentário da Carolina me representa totalmente.

Rodrigo Neves disse...

Já cansei dessa historia, chega de internet por hoje.

Alexlevita disse...

Pelo Amor de Deus, povo se inflama com tudo, viver que é bom nada! na terra da internet todos somos Juízes e perfeitos aos nossos olhos. estude o texto não tire conclusões apenas com o titulo da matéria.

Eduardo Gushiken disse...

Aí Marcão, eu vi esse artigo e lembrei de você: http://aventrilha.com.br/poucas-mulheres-pedalam/